01 março, 2010

Tempo é dinheiro



...subvalorizar-se. Daquilo que eu constato no meu dia-a-dia, os enfermeiros tendem a dar pouco valor ao seu tempo e ao seu trabalho e se nós não dermos valor, quem dará? Um exemplo daquilo a que eu me estou a referir é a disponibilidade exagerada dos enfermeiros para tudo e mais alguma coisa. Observo com frequência um colega estar ocupado com qualquer tarefa e deixar o que está a fazer para ir falar com um familiar de um doente que está ao telefone, ou para ir ajudar o médico a fazer alguma coisa (não urgente). O que quem está do outro lado pensa é que ou o enfermeiro não estava a fazer nada, ou estava a fazer algo sem importância. Pergunto-me é se quem está deste lado (os próprios enfermeiros) pensarão o mesmo, o que seria a meu ver, grave. Outro exemplo é a disponibilidade dos enfermeiros aquando do planeamento de alguma actividade como ensinos ao cuidador. O cuidador é quem costuma marcar o dia e a hora e o enfermeiro está sempre disponível, adaptando todo o seu trabalho posteriormente; mais uma vez, será que o enfermeiro costuma estar sempre sem fazer nada? Há uns dias atrás fui a uma consulta médica privada, paga a peso de ouro como costume, e mesmo assim tive de esperar uns dias pela mesma e no dia, ainda tive de esperar uns largos minutos para ser atendido (depois da hora previamente marcada). Como já disse anteriormente, não basta fazer as coisas, é preciso mostrar que fazemos as coisas e que as fazemos bem, que temos muitas tarefas, muita responsabilidade, e consequentemente muito valor; assim não precisávamos de greves e manifestações para o demonstrar.

5 comentários:

Sant'Iago disse...

em poucas palavras está dito o que é preciso, o fulcral!!!
Imporrtantissima visão 'do jogo', no fundo quer queiramos, quer não, é tudo baseado na economia/finanças, nas leis do mercado de trabalho.
indeed meu caro amigo, time is money...

DVD Sousa disse...

Colegas,

Venho por este meio fazer a divulgação de um evento na área da formação:

Como membro da Comissão Organizadora das II Jornadas de Ortotraumatologia do Alto Minho, não poderia deixar de aqui divulgar a iniciativa, que decorrerá na Escola Superior de Saúde de Viana do Castelo, em 21 e 22 de Maio de 2010.
Os interessados em participar nestas Jornadas podem obter informações, conhecer o programa e fazer a sua inscrição online através blogue criado para o efeito, em http://enfermagemortopedia.blogspot.com

Cumprimentos,
David Sousa

Cogitare em Saúde disse...

O tempo é dinheiro e mais importante é fazer bom uso do mesmo.

Se o trabalho não for organizado e se não houver priorização das actividades o trabalho torna-se caótico a prestação de cuidados com qualidade inferior e o humor detora-se rapidamente .


Estar , ser e cuidar sem ter atenção que tudo se faz com calma e serenidade é um erro, que muitas das vezes faz com os nossos utentes tenham uma má imagem da profissão.

Tal como referiu yves Gineste "porque é que os doentes têm que tomar banho sempre de manha " " Será que alguém lhes pergunta se é a essa hora que em casa prestam os cuidados "?

Abraço

Cogitare em Saúde disse...

O tempo é dinheiro e mais importante é fazer bom uso do mesmo.

Se o trabalho não for organizado e se não houver priorização das actividades o trabalho torna-se caótico a prestação de cuidados com qualidade inferior e o humor detora-se rapidamente .


Estar , ser e cuidar sem ter atenção que tudo se faz com calma e serenidade é um erro, que muitas das vezes faz com os nossos utentes tenham uma má imagem da profissão.

Tal como referiu yves Gineste "porque é que os doentes têm que tomar banho sempre de manha " " Será que alguém lhes pergunta se é a essa hora que em casa prestam os cuidados "?

Abraço

Anónimo disse...

O ACT para as Instituições privadas assinado pelo SEP e não confundir com SE é simplesmente uma vergonha inicio de carreira a ganhar 1075 euros. (ver página 43).
Isto é uma bofetada para todos os enfermeiros associados no SEP.
Não passam de uma cambada de chulos pois não encontro outra palavra para colegas que não trabalhando nas instituições, têm 100% do seu salário pago pelos associados do SEP e no entanto é isto que assinam.
A culpa é de todos os enfermeiros pois ficam encantados com as bandeiras nas manifestações, com os discursos triunfantes, com a organização perfeita mas no fundo não passa de uma enorme ilusão para continuar a manter toda a classe revoltada e desmotivada, para que de tempos a tempos surja um D. Quixote disposto a lutar contra todo e todos mas que só o seu fiel escudeiro
sabe, que tudo não passa de uma miragem

Vergonha é o que eu sinto ao escrever isto.....

Pedro Costa